Como evitar comportamentos repetitivos

Como nossos comportamentos repetitivos nos induzem a sempre fazer a mesma coisa, do mesmo jeito, obtendo os mesmos resultados?

Quando comecei meu primeiro processo de coaching, o primeiro livro que a coach pediu para ler foi “O ciclo da autossabotagem”. Isso já faz um tempo e não me lembro ao certo quanto tempo levou a conclusão da leitura desse livro, mas lembro dos sentimentos que ele me despertava, os gatilhos que disparava a cada página concluída e a cada história contada por Stanley Rosner e Patrícia Hemer.

Os episódios traumáticos narrados no livro criaram em mim dilemas, agora conscientes, uma vez que as narrações pareciam a minha própria vida. O resultado de tudo isso até então? Um ciclo de autodestruição que afetava minhas relações pessoais e profissionais. Não resolvi todos os dilemas da minha vida e, até hoje, essa leitura é muito presente, sempre há novas descobertas, mas a forma como o livro foi contado trouxe clareza sobre a minha pessoa, meu jeito de ser, minhas atitudes, meu modo de agir. Os comportamentos em diferentes papéis me mostravam as causas da autossabotagem e nas diferentes maneiras em que ela se manifestava.

As desculpas para não fazer uma atividade física, os medos de não dar um feedback adequado e sincero, os tratamentos com as pessoas a minha volta, a forma de me relacionar com o dinheiro, a relação com meu esposo e filhos, entre outras. A autossabotagem provoca prejuízo, mas nem sempre a pessoa se dá conta do que está fazendo contra ela mesma, geralmente culpa o destino por tudo que acontece ou simplesmente aceita a condição sem mesmo entender o motivo. No livro, os autores mostram a melhor maneira de superar a autossabotagem, vencendo os antigos traumas e buscando novos caminhos.

Indico a leitura deste livro para você que quer começar uma jornada de autoconhecimento, ou até mesmo você que já está há algum tempo nessa caminhada. O autoconhecimento nos traz maturidade quanto pessoa, base para a Inteligência Emocional e nos permite ser seres humanos melhores com nós mesmos e com as pessoas que nos relacionamos.

Boa leitura!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *